www.stone-ideas.com

Mercados: bons negócios apesar da crise financeira mundial

Granito Golden Dream da Dacaza..(Março 2009) Houve surpresa agradável na Feira de Exposições em Vitória – ES de 10 a 13 de fevereiro deste ano. Quase todos os expositores com os quais a BusinessStone.com conversou, expressaram satisfação com o desenrolar da Feira. Segundo os comentários, os negócios correram de maneira  „satisfatória“ ou até „excelente“. Conclusões dignas de admiração se pararmos para pensar que no momento estamos atravessando por uma crise mundial, o que nos leva e esperar um resultado menos positivo no setor comercial em geral. Um dos depoimentos entre os muitos que ouvimos dizia „as pessoas não vinham só para olhar, elas também chegavam com o objetivo de comprar os nossos produtos“

Entre os convidados dos EUA não haviam quase compradores, o número de expositores também „diminuiram em 20 %“ , foi o que constatou a Firma da Feira na pessoa de Cecília Milanez Milaneze.

Antes de mencionarmos os números das exportações de rochas do Brasil, queremos chamar a atenção para um fenômeno que se repete todos os anos e por isso já é considerado normal na Feira de Exposições do setor em Vitória: novamente foram apresentadas novos tipos maravilhosos de rochas, as quais foram testadas no ano passado e agora podem oficialmente ser introduzidos no mercado. Os tipos de apresentação chegaram a gerar, de várias formas, verdadeiras jóias destes. Algumas firmas deram-se ao trabalho de apresentar as suas peças, produtos e placas em forma de Open Book. Destacamos aqui algumas seleções das novidades.

Quanto aos números nas Exportações constata-se uma caída significativa no comércio brasileiro de rochas no ano de 2008, em comparação ao ano anterior cerca de 13,7 % foi o valor da renda apresentada nas exportações, em toneladas os resultados chegaram inclusive aos 21 %, segundo relato da Abirochas Informe 3/2009 (pdf). Os resultados portanto para este ano não passaram dos 955 milhões dólares americanos, ou cerca de 2 milhões t.

Se compararmos os números do ano de 2007, o Brasil superou naquela época o número  mágico dos bilhões com seus 1,1 bilhões de dólares, o que em peso significou um quarto de tonelada a mais em vendas para o exterior, 2,5 milhões t.

Pode-se verificar alguns desenvolvimentos positivos na tabela publicada pela Informe, tais como o crescimento quantitativo dos produtos processados, ou que o Brasil não comercializa somente granito, e sim investe no comércio de ardósia e rochas carbonáticas. Ainda a ser mencionado é o fato de que apesar da caída nas exportações os preços subiram

Mas o Brasil continua preso numa monocultura, a qual é duplamente perigosa: De um lado estão os produtos processados, dos quais 80% são comercializados para um só país, os EUA, seguido com grande diferença por outros compradores. Do outro lado há uma monocultura na exportação de blocos brutos. O comprador principal deste produto é a China, também seguido só com grande diferença por outros consumidores deste tipo de produto.

E a China torna-se cada vez mais o maior concorrente do Brasil no mercado principal deste: os EUA. Inclusive no próprio mercado nacional ela oferece concorrência predominante, é o que relata uma análise da associação nacional Abirochas

Como saída, os brasileiros querem trabalhar de forma intensiva com os Estados do Golfo Pérsico. Conforme publicações tanto da Abirochas quanto da Organização de Exportação, Apex. Como foco principal permanece o mercado nacional. Associações Estaduais destacam a América Central como público alvo.

Abirochas ausente

Neste contexto, infelizmente temos de mencionar também um ponto negativo desta Feira de Exposições: A Abirochas não esteve presente. Imaginem! Em Vitória acontece a Feira de Exposições mais importante para o setor pedreiro da América do Sul e a Associação Nacional do setor do país mais importante nem se representou.

A razão para tal é a antiga briga entre o Associação Nacional e a do Estado de Espírito Santo, Sindirochas. O ES é o centro do comércio de pedras no Brasil e a luta é uma questão de dinheiro, quem recebe mais do apoio da Apex.

Fotos: Firmas