www.stone-ideas.com

Stone Stories: Pif, paf, puf no bosque

(Agosto 2011) Quando o turista se coloca em frente a grandes construções do passado, sejam elas catedrais da Europa, pirâmides aztecas na América Latina, templos indianos ou a Muralha da China, ele invariavelmente se pergunta: como diabos os antigos conseguiram erguer isso?

Na França há alguns anos está em curso uma iniciativa que quer responder essa pergunta com um castelo do século 13: no bosque de Guédelon, na região da Borgonha, desde 1997 é construído um prédio do gênero com técnicas do passado.

O objetivo do projeto, entitulado „Chantier Médiéval“ („Canteiro de obras Medieval“) é exercitar a arqueologia experimental: ali são examinadas a transmissão de conhecimentos históricos ou sua ruína em termos práticos.

Trata-se, claro, de um espetáculo: ali as pessoas transitam em trajes medievais. No canteiro de obras não há motores ou barulho de máquinas: tudo é feito com trabalho manual, seja a argila para a vedação do teto, seja a trama para criação de cestas de transporte.

Ruidosos são somente o martelar dos forjadores ou o trabalho em pedreiras no bosque ao lado, onde o arenito é obtido com cinzéis e formões da falésia e então cortado e por fim transportado em carroças, trenós ou mesmo carregado até o local da construção. Quando se trata de blocos de maior tamanho, são utilizados cavalos de arado para puxar carruagens.

O que aqui já soa trabalhoso é na realidade ainda mais complicado, afinal boas rochas encontram-se apenas no pé da parede de falésias, de modo que grandes massas de material precisam ser removidas. Bem ao estilo dos antigos, esses restos são reutilizados, por exemplo, para a terraplanagem interna dos muros de contenção.

Os entalhadores de rochas no canteiro de obras criaram uma terminologia especial: arenito duro se chama „pif“, medianamente duro se chama „paf“ e o quebradiço „puf“. Pois assim soam esses materiais quando submetidos aos instrumentos de época, tal como se ouve em brincadeiras infantis.

A inauguração do castelo deve acontecer em 2025. Até lá os turistas podem visitar o canteiro de obras e também turmas escolares. Visitas guiadas acontecem em francês, inglês, alemão e holandês. A época de visitação vai de abril a fim de outubro.

Chantier Médiéval de Guédelon