www.stone-ideas.com

Mercados: „Boas notícias para o setor de rochas“

(Janeiro 2012) Após negociações „eternas“, como descrevem alguns veículos de imprensa, a Rússia entrou para a Organização Mundial de Comércio. Com isso abrem-se a médio prazo grandes chances para fornecedores, pois a partir de agora aquele enorme país reconhece as regras econômicas internacionais. Na prática isso significa menores alíquotas de importação assim como simplificação das normas de produção e seus certificados. Aos poucos essas mudanças serão implementadas.

Até 15 de junho, no máximo, o parlamento russo deverá confirmar a decisão. No total, foram 18 anos de negociações, sediadas em Genebra.

Exportadores e investidores esperam agora mais flexibilidade nas negociações. As alíquotas de produtos acabados, por exemplo, devem cair de 9,5% para 7,5%. Em todas as classes de produto, a alíquota deve baixar dos atuais 10% para 7,8%.

Raimondo Lovati, secretário-geral da federação italiana Confindustria Marmomacchine, vê oportunidades também para o setor de rochas: „O fato mais importante é que a Rússia finalmente começará o processo de definir regulações específicas e práticas de negócios em acordo com os requisitos das mais modernas economias de mercado. No geral, isso certamente é boa notícia para os produtores de rocha italianos, assim como para os construtores de máquinas e equipamentos, que visitarão com nossa federação a feira Mosbuild em abril e a Expostone em junho“.

Críticos do governo russo todavia advertiram que os negócios por lá seguirão sendo atrapalhados por corrupção, nepotismo e burocracia.

O setor de rochas na Rússia

A versão atual do anuário estatístico „XXII World Marble and Stone Report 2011“ mostra um quadro bastante positivo para o desenvolvimento do setor na Rússia em 2011. O autor, Dr. Carlo Montani, formula a retrospectiva: „O mercado doméstico ali cresceu em torno de um terço, um aumento muito relevante, que estabelece um novo recorde“. Isso se deve sobretudo ao fato de que as importações dobraram, apesar de que nelas os produtos acabados desempenharam um papel importante. Os grandes fornecedores foram, por ordem, China, Índia, Ucrânia, Turquia e Itália.

Mas também os blocos brutos foram mais importados do que antes, o que – somado a um claro aumento nos investimentos em máquinas – sinaliza para o surgimento de uma grande indústria transformadora na Rússia. Isso é confirmado pelo aumento de exportações de suas rochas, que seguiram sobretudo para vizinhos como o Tadjiquistão e Turcomenistão, ex-membros da União Soviética.

No mercado de tecnologia, a Rússia despontou em 2010 como o sétimo maior importador internacional. Foram comprados no total 47 milhões de dólares no exterior. Um terço disso chegou da Itália.

Montani resume: Isso significa que os investimentos ali vivem uma fase positiva, depois de um longo período de incerteza“. Contudo, rochas seguem sendo um produto para as elites, acrescenta ele, apesar de que a tendência local é de democratização deste material“.

WTO

„XXII World Marble and Stone Report“ (Aldus Casa di Edizioni, Carrara)