Middle East Stone: uma nova feira de rochas no Golfo Pérsico em maio de 2015

De 18 a 21 de maio de 2015 deve realizar-se em Dubai a nova feira Middle East Stone, „dedicada ao ramo de rochas, mármores e cerâmicas”, segundo afirmam os organizadores da dmg events em um release de imprensa. O foco regional da mostra será a região do Mena, ou seja, os países do Oriente Médio e do norte do Mediterrâneo.

A Middle East Stone é um desdobramento da Big5, que desde 1979 é uma vitrine para todo o setor construtivo, também realizada em Dubai (de 17 a 20 de novembro de 2014). Ela já tem inclusive uma filial, a Big5 Kuwait (22 a 24 de setembro 2014).

Então agora há uma feira especial para rochas na região do Golfo. De fato, a região do Mena é promissora em muitos aspectos (descontado o Norte da África, em crise): com o Irã adiciona-se uma região com importantes recursos em rocha ornamental e, com a proximidade da Turquia, o maior produtor mundial de mármore.

Acima de tudo, os Estados do Golfo Pérsico são eles próprios grandes consumidores de rocha ornamental. Há algum tempo acontece ali um boom de construção civil sem precedentes, em que todos os projetos são de luxo. „Devido ao clima quente nos países do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG), a construção sem estes materiais (pedra, mármore e cerâmica) seria impensável”, diz o material de divulgação de imprensa da nova feira.

Os países do Conselho de Cooperação do Golfo. Fonte: Wikimedia Commons

Vejamos o CCG queremos mais de perto. Fazem parte do grupo o Kuwait, Bahrein, Arábia Saudita, Qatar, Omã e os Emirados Árabes Unidos, que cooperam desde 1981 e estabeleceram uma espécie de mercado comum (Acordo de Mercado Comum) em 2008.

Crescimento real do PIB nos Estados do CCG.

Sua riqueza é baseada em petróleo e gás, e por várias décadas seus príncipes se esforçam para construir economias autossustentáveis. Com seu boom da construção dos últimos anos, por exemplo, já surgiu uma indústria de revestimentos, que também exporta para o exterior. O mesmo aplica-se para a fabricação de cimento e vidro.

Educação é mais um foco da política econômica: por um lado há filiais de universidades famosas trazidas para o país e atraindo estudantes de todo o mundo, por outro lado, há uma forte ênfase na qualificação de seus próprios cidadãos para papeis de liderança nas empresas nacionais.

Finalmente, há o estabelecimento de alta tecnologia.

E o mais óbvio: os países do CCG querem tornar-se um dos primeiros endereços para o turismo de luxo em todo o mundo. Os centros comerciais são todos espetaculares, assim como conjuntos residenciais, incluindo ilha artificial de Palm Jumeirah. O público-alvo são os ricos do mundo, especialmente dos países emergentes da Ásia.

Os principais fornecedores de rochas ornamentais aos Estados do CCG em 2013. Para comparação: Os fornecimentos para os Estados Unidos.

Nas construções para o turismo há também uma oportunidade para o setor de rochas ornamentais. A associação italiana Confindustria Marmomacchine cita uma fonte que previu em 2013 projetos de hotéis no valor de 7 bilhões de dólares. „Até 1,65 bilhões de dólares poderiam ser gastos na decoração dos interiores dos edifícios”, afirma-se.

A empresa alemã Germany Trade & Invest (GTAI) cita números do World Travel und Tourism Council, que indicam para 2014 investimentos do CCG em turismo no valor de 14,7 bilhões de dólares e em 2020 de até 29,1 bilhões de dólares.

A novidade é que esses grandes investimentos não partem apenas da Arábia Saudita (modernização de Meca) ou dos Emirados Árabes Unidos (com projetos espetaculares, como o Burj Kalifa Tower ou a Expo Mundial 2020).

Também os pequenos estados do CCG sobem ao palco das realizações: o Qatar que realizar a Copa do Mundo de 2022. Omã também está sempre ativo, assim como Bahrain atrai mais atenções.

Middle East Stone, de 18 a 21 de maio de 2015

Confindustria Marmomacchine (em italiano)

Germany Trade & Invest (GTAI) (em alemão)

(19.09.2014)