Proteção de denominações de origem também para rochas ornamentais?

Para o champagne, o presunto de Parma ou o vinho Bordeaux ela já existe. Agora, a Comissão da União Europeia considera extensão da chamada „Proteção de Denominação de Origem” para além de produtos agrícolas ou gêneros alimentícios.

Na convocação para os políticos em Bruxelas serão listadas ao lado de cerâmica e couro também „mármore” e rochas ornamentais.

No entanto: não se trata de simplesmente proteger a denominação de origem de rochas ornamentais, tais como mármore de Carrara, Ardósia de Blaenau Festiniog, do País de Gales, ou granito de Strzegom, na Polônia. A Comissão Europeia quer sobretudo introduzir nesta valorização a artesania e os processos produtivos, com os quais matérias-primas são transformados em produtos acabados.

Ou dito de outra maneira: não é o diamante bruto que deve ser colocado debaixo do guarda-chuva protetor, mas a jóia acabada, cujo valor encontra-se tanto no material como na arte de trabalhar o cristal.

Nós tínhamos publicado recentemente o comunicado de imprensa daquela comissão e recebemos muitas cartas.

Um leitor havia alertado para a antiga tradição de edifícios circulares, que são encontrados em todo o Mediterrâneo. A foto bem acima mostra como eles são usados hoje na França em um complexo de lazer.

Então, seria possível criar uma marca como „rocha Trulli”?

Da mesma forma, houve uma referência a telhas, como mostram essas fotos de Cannero, no Lago Maggiore, na Itália. Fotos: Bertram Feld

Da mesma forma, houve uma referência a telhas, como mostram essas fotos de Cannero, no Lago Maggiore, na Itália. Em outros lugares, eles estão disponíveis também em arenito. Fabricados em ardósia, eles são ainda hoje um tipo popular de cobertura.

Existe em algum lugar características regionais específicas na produção? Ou para dizer de forma mais precisa: existe em algum lugar algo que possa ser registrado como especialidade regional?

Outros leitores têm apontado para a ilha croata de Brač. Não apenas há uma pedra calcária puramente branca ali, mas também um tratamento especial para a superfície. Ele remonta ao tempo dos romanos.

Outros leitores têm apontado para a ilha croata de Brač. Não apenas há uma pedra calcária puramente branca ali, mas também um tratamento especial para a superfície. Ele remonta ao tempo dos romanos. A foto mostrada foi extraída de uma brochura da tradicionalíssima oficina de cantaria Dražen Jakšić.

Qual seria o valor da proteção de denominações de origem?

Fornecedores do exterior não poderiam vender produtos com estes nomes protegidos no mercado da União Europeia.

Além disso, haveria uma valorização destes nomes em nível internacional. São internacionalmente reconhecidas marcas globais como vidro de Murano, lâminas de aço de Solingen, porcelana de Limoges ou vidro de Gablonz, mesmo que pouca gente saiba onde na Europa ficam estes lugarejos. Esses títulos são exemplos de produtos não-agrícolas que têm Trade Mark. Atualmente, existem 834 de 31 países (UE, incluindo Suíça, Noruega e outros), segundo um estudo da UE.

Lista de produtos não-agrícolas que têm Trade Mark. Fonte: Estudo da UE..

Reunimos os tipos de pedra natural já protegidas apenas em nível nacional em uma lista.

O mármore Mármol Macael da região espanhola de Almeria é um deles. Lá, a Asociación de Empresarios del Marmol toma a iniciativa da Comissão Europeia tão seriamente que enviou seu presidente, Antonio Martínez Martínez, a Bruxelas.

Na França, a Associação Pierre de Bourgogne, bem como os produtores de granito da Bretanha, são muito ativos. Detalhes das iniciativas locais são explicados pela revista Pierre Actual em sua última edição (setembro de 2014).

O procedimento estabelecido pela Comissão Europeia no momento é chamado „Livro Verde”. Até 28 de outubro de 2014 organizações e indivíduos estão convidados a expressar suas opiniões e ideias sobre produtos.

More information (1, 2)

Pierre Actual (em francês)

See also:

 

 

 

 

(04.10.2014)