www.stone-ideas.com

Relatório de Primavera da Comissão da União Europeia: Sinais de crescimento nos países da comunidade

„A economia da Itália provavelmente volta a crescer neste ano, graças ao aumento da demanda externa“, informa a Comissão da União Europeia. Foto: Christina Kindlinger

O Relatório de Primavera da Comissão da União Europeia é muito positivo desta vez e estima que a média de crescimento econômico para todos os 28 Estados membros é de 1,8% para o ano corrente e de 2,1% para 2016

Apesar dos sinais positivos, a Comissão continua cética de que realmente já se tenha conseguido uma reversão da depressão econômica. Afinal o crescimento aconteceu principalmente pelo fato de que houve uma „rara coincidência de fatores positivos“.

Os números para os 19 países que utilizam o euro como moeda são um pouco piores: 1,5% para 2015 e de 1,9% para 2016. Para comparar: em 2014 a economia da UE cresceu apenas 1,4% e na zona do euro apenas por 0,9%. E no ano anterior ela havia respectivamente estagnado e declinado.

A referência à coincidência de fatores quer dizer em primeiro lugar queda acentuada dos preços do petróleo, o que reduz o custo de vida para os cidadãos, promovendo assim o consumo privado. O aumento da demanda doméstica é a principal força motriz por trás do crescimento econômico previsto, segundo o relatório. Em segundo lugar, a política expansionista de correção monetária e juros do Banco Central Europeu teve um efeito positivo. E em terceiro lugar, o Euro perdeu cerca de 9% de seu valor no ano passado em relação ao dólar, tornando mais baratos os produtos europeus para exportação.

Por isso o prefácio do Relatório de Primavera também questiona: „As economias conseguirão manter um crescimento estável quando este temporário vento a favor se desfizer?“

A tabela mostra o crescimento econômico esperado em pontos percentuais. Fonte: Comissão da União Europeia

Nossa tabela mostra as previsões para cada país. A Comissão da União Europeia também apresentou estimativas para países fora da Europa. No relatório há análises detalhadas para cada país.

Prezado leitor, se você deseja receber gratuitamente o link direto para essa fonte, por favor envie-nos um e-mail a Peter Becker.

(06.06.2015)