www.stone-ideas.com

Dr. Carlo Montani e seu „XXVI Report marble and stones in the world“: o setor de rochas segue em um bom momento

Dr. Carlo Montani. Foto: Ennevi / Marmomacc

O especialista em estatística italiano constata bom crescimento, mas também cobra perdas de oportunidades

Um crescimento apreciável no comércio internacional de rochas ornamentais é destacado pelo Dr. Carlo Montani em seu anuário estatístico bilíngue „XXVI Rapporto marmo e pietre nel mundo 2015 / XXVI Report marble and stones in the world 2015“: Em 2014 comparativamente ao ano anterior as exportações subiram 6,7% em volume (total de 56,9 milhões de t).

A extração internacional de rochas cresceu no mesmo período em 3,85%, chegando a 103,5 milhões de m³ (valor bruto, incluindo resíduos que se perderão no beneficiamento). Com isso foi superada pela primeira vez a barreira simbólica dos 100 milhões de m³. Contabilizados em placas de 2 cm de espessura, isso significa 1,5 bilhões de m².

Observando-se no longo prazo, o setor mostra uma tendência duradoura de crescimento: nos últimos 20 anos o comércio internacional de rochas ornamentais se quadruplicou. Isso significou um crescimento de 14% por ano, „muito mais do que alcançou a economia como um todo“, conforme destacou Montani.

Uma observação do gráfico com os grandes produtores mostra que no caso foram os dois gigantes China e Índia, os responsáveis diretos pelo aumento. Os países que se seguiam nesse ranking produtivo, ao contrário, registraram decréscimos, ainda que muito pequenos.

É certo que estes valores estatísticos medianos são sempre um pouco enganadores. É o que mostra uma observação do gráfico com os grandes produtores, que no caso foram os dois gigantes China e Índia, os responsáveis diretos pelo aumento. Os países que se seguiam nesse ranking produtivo, ao contrário, registraram decréscimos, ainda que muito pequenos.

É interessante notar que a participação de produtos acabados no comércio internacional aumenta continuamente.

Montani destina em sua análise um olhar especial para a África, onde ele vê „novas possibilidades“. Ele se refere ao aumento da produção nos grandes do setor, Egito ou África do Sul, mas também em países iniciantes na atividade, como Zimbábue, Benin, Togo ou Marrocos.

Por outro lado, ele constata que alguns países africanos se tornaram importadores. Perspectivas semelhantes existiriam também nas negociações em Dacar e Lusaca, onde se fala em uma cooperação internacional com países industrializados.

Rapidamente mais uma atenção aos importadores, listados na tabela em ordem alfabética. Em geral os grandes nesse ponto são também grandes exportadores.

Rapidamente mais uma atenção aos importadores, listados na tabela em ordem alfabética. Em geral os grandes nesse ponto são também grandes exportadores. Ou seja, na maioria dos casos eles importam blocos ou placas, beneficiam esses e os reexportam na forma de novos produtos.

Também é interessante observar o consumo per capita de rochas ornamentais. Ali se mostra mais claramente onde são mais empregadas essas rochas.

É interessante observar o consumo per capita de rochas ornamentais. Os 4 países no topo da tabela têm um consumo superior a 1 metro quadrado por pessoa. Contudo: por que razão a Bélgica está bem à frente, mas a Holanda e os EUA tão atrás e a Alemanha no meio do caminho?

Claro que nesse ponto os países ricos estão no topo.

Também é digno de nota que os 4 países no topo da tabela têm um consumo superior a 1 metro quadrado por pessoa.

Contudo: por que razão a Bélgica está bem à frente, mas a Holanda e os EUA tão atrás e a Alemanha no meio do caminho?

Nós antecipamos a resposta: a federação belga está em campanha de divulgação de seu Bluestone (erroneamente chamado também de granito belga), e obteve com isso um sucesso além do normal.

„XXVI Rapporto marmo e pietre nel mundo 2015 / XXVI Report marble and stones in the world 2015“, Dr. Carlo Montani, Aldus Casa di Edizione, Carrara, impresso a € 35 e pdf a € 20

Tabelas extraídas do livro

(06.12.2015)