O escultor Gedion Nyanhongo faz do amor seu maior tema

Gedion Nyanhongo: „The hug“.

(Setembro 2013) De fato ele tem apenas um tema. Porém um bastante grande e com muitas facetas: o amor, e às vezes ele o representa como relação entre duas pessoas, outras em forma de família, outras em preservação da natureza ou ainda como terra natal.

Gedion Nyanhongo: „The hug“.

Gedion Nyanhongo nasceu no Zimbábue. Hoje com 45 anos, ele deixou a África em 2007 e foi com sua esposa e 4 filhos para Phoenix, no Arizona. Sua permissão de moradia era um Visto 0-1, conferido a cientistas ou artistas prominentes.

A razão de sua mudança, segundo conta em um e-mail bastante detalhado, foi o desejo de conhecer outras culturas e os EUA lhe pareceram a melhor plataforma para intercambiar com o mundo sem restrições raciais.

Gedion Nyanhongo: „Comfort of Love“.

Intercâmbio é necessário, escreve ele, pois o século 21 é a era em que a humanidade convive e precisará fazê-lo compartilhando valores universais: trata-se de „amor entre pessoas, compartilhando suas vidas através de abraços e cumprimentos mútuos“. Em seguida ele se apresenta como um „escultor do século 21.“

Gedion Nyanhongo: „Peaceful Family“.

Sua concepção fundamental da vida e do mundo é em todos os sentidos positiva: „Vivemos em uma época excitante e cheia de desafios… Eu gostaria de inocular pensamentos positivos na nova geração através da arte.“

Gedion Nyanhongo: „Spirit of Africa“.

O que lhe preocupa é que „tantas pessoas parecem ter esquecido de suas heranças culturais.“ Desse modo ele tenta evidenciar com seu trabalho que a humanidade começou na África: „Foi na África que as sementes da expressão humana floresceram primeiro.“

Gedion Nyanhongo: „Spring Celebration“.

Gedion Nyanhongo cresceu no interior. Criança, já cuidava de cabras e ovelhas e realizava outros trabalhos de campo de madrugada antes de cobrir a pé as 9 milhas que o separavam da escola, ele informa.

 

A arte lhe chegou através de seu pai, Claude, também um escultor conhecido. Sua irmã mais velha, Agnes, que também trabalha com rochas, foi igualmente importante para sua formação artística.

Gedion Nyanhongo: „Happy Memories“.

O Zimbábue tem uma longa tradição em rochas ornamentais. O nome se origina de uma grande ruína no sul da África, chamada Grande Zimbábue: no idioma Shona, „dzimba“ significa casa e „mabwe“, pedra. Trata-se dos restos de uma cidade que antigamente teve 20.000 habitantes. O sítio arqueológico, com imponentes paredes de granito com até 10 m de altura, data de 1000 a 1500 DC.

Já naquela época a escultura florescia no local: foram encontradas figuras de pássaros do Zimbábue, dos quais um hoje orna a bandeira do país. Elas foram compostas em pedra-sabão.

Um grande número de rochas extraordinárias é encontrável no Zimbábue, delas a mais comercializada é o retinto granito Nero Assoluto.

Gedion Nyanhongo

Fotos: Gedion Nyanhongo

Gedion Nyanhongo: „Dancing Life Together“.(04.09.2013)