A geologia da África do Sul em prédio de administração de Pietermaritzburg

ICA Architects & Urban Designers: Ingonyama Trust Board.

Em Pietermaritzburg, na África do Sul, fica a sede central do Ingonyama Trust. A organização ocupa-se de tarefas sociais e da gestão de terras que tradicionalmente pertencem ao rei da nação Zulu.

Para sede conselho diretor do Trust, que desde 1968 é dirigido pelo rei Goodwill Zwelithini kaBhekuzulu, a organização adquiriu há pouco tempo a Villa Sans Souci, em Pietermaritzburg, uma jóia arquitetônica de 1884.

O edifício, anteriormente bastante deteriorado, assim como a região em seu entorno, é um dos monumentos nacionais da República da África do Sul.

Esse era o contexto da tarefa construtiva, ou seja, restaurar a mansão e a seu lado criar um novo prédio para a administração.

Os planejadores da ICA Architects & Urban Designers projetaram o novo prédio com muita atenção à geologia do país: para as paredes exteriores escolheram ardósia em tons que vão do amarelo brilhante ao vermelho. A forma do edifício é simples, um cubóide alongado, de modo a não interferir no efeito da composição polimórfica da mansão.

ICA Architects & Urban Designers: Ingonyama Trust Board.

O novo prédio de escritórios tem três andares e essa era também a altura para o revestimento de ardósia. As rochas são coladas a uma parede de tijolos com concreto e núcleos de aço. Para compensar as variações térmicas, suportes de aço compensam a intervalos regulares a movimentação das rochas.

O peso da rocha é de 150 kg por metro quadrado de superfície. Em uma extensão de 64 m, isso soma uma carga considerável a ser sustentada.

A colocação da ardósia foi feita à mão, no local. Para fixá-las na parede, foi utilizado um adesivo especial, produzido pela empresa TAL.

Observado de longe, o novo prédio lembra construções tradicionais do interior. No entanto, apenas as fachadas norte e sul são revestidas de pedra.

ICA Architects & Urban Designers: Ingonyama Trust Board.

Os dois lados mais finos têm fachadas de vidro. São marcantes ali as cortinas altas e rotatórias; a cor e o comprimento de suas varas de madeira enfatizam as duas faces extensas do prédio.

ICA Architects & Urban Designers: Ingonyama Trust Board.

Tudo isso confere à construção um ar bastante africano. E contrasta com a antiga mansão, construída por um empresário que importou um arquiteto da Alemanha e operários da França e da Itália para realizar o projeto. O estilo é neoclássico alemão.

ICA Architects & Urban Designers: Ingonyama Trust Board.

Ismail Cassimjee, da ICA Arquitetos, que liderou os trabalhos de restauro e da nova construção, também precisou lidar com as dificuldades de não dispor de nenhuma planta da mansão.

Os materiais e elementos também foram quase que totalmente comprados na Europa, encomendados via catálogos: “Tudo foi transportado de navio e apenas montado aqui. Hoje em dia, isso é chamado de construção pré-fabricada; e o período vitoriano foi muito competente nisso”, afirma um jornal que cita Cassimjee.

ICA Architects & Urban Designers (Mail)

Ingonyama Trust Board

Fotos: ICA Architects & Urban Designers

ICA Architects & Urban Designers: Ingonyama Trust Board.ICA Architects & Urban Designers: Ingonyama Trust Board.(09.02.2014)